Hortifrúti Legal: agricultor investe em hidroponia e registra faturamento bruto acima de R$ 30 mil

20/09/2017

“Recomecei do zero. Assim posso resumir a produção em hidroponia de nossa família antes e depois da orientação que recebemos do programa Hortifruti Legal”. A afirmação do produtor rural, Gelson de Freitas, se deve aos resultados obtidos após cinco meses de assistência técnica e gerencial prestada pelo SENAR/MS – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, em Terenos.

Freitas conta que antes de trabalhar com produção de hortaliças tocava uma pequena fábrica de sorvetes na área urbana do município, mas, a dificuldade em competir com grandes marcas resultou no fechamento da microempresa. “Nossa família trabalha junta e decidimos investir na hidroponia. No começo, conseguimos um retorno, mas, a falta de orientação técnica quase inviabilizou a produção. Agora, com cinco meses no programa estamos produzindo 15 mil unidades de alface e 10 mil de rúcula por mês”, relata satisfeito.

Segundo levantamento da Ceasa/MS – Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul, na primeira quinzena de setembro, o pé de alface crespa foi cotado a R$ 1,11, perfazendo uma receita bruta de R$ 16.650 reais. Enquanto isso, a rúcula obteve o preço unitário de R$ 1,50, multiplicada por 10 mil maços obteve-se ao faturamento de R$ 15.000.

Atuação do Hortifruti Legal - A comercialização de hortaliças produzidas pelos produtores participantes da metodologia de ATeG registrou no ano passado, mais de R$ 3 milhões e a expectativa é que os números aumentem em pelo menos 20%. Atualmente, 400 famílias são atendidas em todo Estado, contemplando 21 municípios.

De acordo com o gestor do Departamento de ATeG, do SENAR/MS, Francisco Paredes, o diferencial da assistência oferecida pela instituição está em diagnosticar individualmente cada propriedade, demonstrando ao proprietário a necessidade de enxergar a atividade como um negócio. “Nossa equipe tem a missão de avaliar cada situação e ouvir o produtor em suas prioridades e dúvidas. Acredito que desta forma conseguimos resultados positivos e gratificantes para todos os participantes”, observa.

Profissionalização da atividade – Segundo monitoramento realizado pela equipe do Hortifruti Legal atualmente, 171 produtores assistidos no programa estão cultivando hortaliças como a alface e rúcula, no entanto, predomina o sistema convencional feito no solo. O total comercializado em folhosas no ano passado foi de R$ 644.022.

A hidroponia é uma técnica de cultivo sem solo que, normalmente ocorre em ambiente protegido. No caso de folhosas (alface, rúcula, agrião, etc.), o sistema mais comum é o NFT, no qual as plantas são cultivadas em canaletas, onde uma pequena lâmina de solução nutritiva  (água + nutrientes) é injetada no sistema e circula pelas raízes das plantas.

Essa técnica permite a obtenção de plantas mais sadias, aumento na produtividade, melhoria das condições de trabalho, além de reduzir ou até eliminar o uso de agrotóxicos. Os interessados em iniciar o cultivo investirão entre R$ 50 e R$ 100, por metro quadrado, dependendo do nível tecnológico desejado e da disponibilidade de materiais na propriedade.

De acordo com o engenheiro agrônomo responsável pelo atendimento na propriedade em Terenos, Victor Almeida, é importante esclarecer que, no cultivo hidropônico, não existe uma ‘receita de bolo’ que pode ser aplicada em diferentes situações. “Depois de diagnosticarmos as condições de manejo, identificamos a necessidade de alterar os níveis de nutrientes, equilibrar o pH da água e escolher uma variedade que tivesse melhor desempenho para as condições da propriedade. No entanto, grande parte do mérito vai para o Gelson e sua família que se dedicaram e atenderam as recomendações propostas”, argumenta.

Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul
www.famasul.com.br