Comitê debate perfil profissional para atuar na cadeia do dendê

25/10/2013

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), através da sua Administração Regional do Pará, promove até hoje (25/10), em Belém (PA), uma reunião do Comitê Técnico Nacional da Dendeicultura. O encontro, que acontece desde quarta-feira (23/10), na sede do Sistema FAEPA/SENAR-PA, foi aberto pelo presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (FAEPA), Carlos Xavier, que destacou a difusão da cultura do dendê no Estado do Pará. O primeiro dia do evento contou ainda com a participação do superintendente do SENAR-PA, Walter Cardoso; do coordenador operacional do Centro de Excelência em Educação Profissional e Assistência Técnica Rural, Luís Tadeu; e das consultoras do SENAR Nacional, Regina Torres e Célia Steiner.

Os Comitês têm a função de contribuir para o planejamento pedagógico dos cursos a serem ofertados nos Centros de Excelência em Educação Profissional e Tecnológica. As unidades serão criadas pelo SENAR e funcionarão como centros de excelência vocacionados para as principais cadeias produtivas do agronegócio brasileiro. Os centros oferecerão educação profissional nas suas diferentes modalidades, presencial e a distância, e diferentes níveis de ensino: formação inicial e continuada (FIC), técnico de nível médio e superior.

O superintendente do SENAR-PA, Walter Cardoso, considera muito importante a criação dos 11 Centros de Excelência direcionados para as diversas cadeias do agronegócio brasileiro, que no Estado do Pará será direcionado para a cultura do dendê. “O Pará tem um grande potencial para impulsionar o desenvolvimento dessa cultura. Economicamente e socialmente é importante para o nosso Estado. Sendo assim, o centro agregará tecnologia dessa cadeia produtiva para o Brasil inteiro”, comentou.

Segundo ele, todo o material acerca da cultura do dendê à nível nacional serão desenvolvidos no Pará, nesse Centro de Excelência. “O SENAR vai atuar desde a formação de técnicos, assistência técnica e formação de instrutores, bem como, na elaboração do material institucional, tais como: cartilhas, folders, apostilas”, destacou o superintendente.

Para a consultora do SENAR, Regina Torres, a meta do encontro prevê a realização de cursos técnicos direcionados para atender as demandas por profissionais altamente qualificados nos processos de planejamento, cultivo, colheita e escoamento da produção da palma de óleo.

De acordo com Regina, esses centros atenderão a formação profissional de produtores rurais e técnicos em assistência rural. “Os centros têm uma proposta de excelência sustentada em qualidade, inovação e parcerias ou cooperação técnica. Cada centro terá uma abrangência nacional de gerar conhecimento especializado nas principais cadeias produtivas do agronegócio. No caso do Estado do Pará, a palma de óleo ganhará a visibilidade nacional com excelência”, declarou otimista.

Palma de óleo ganhará visibilidade nacional com a criação do Centro, acredita a consultora do SENAR Regina Torres

A coordenadora explicou ainda, que para a realização dos cursos, está sendo desenvolvida uma metodologia que se inicia no levantamento das informações e necessidades do mercado de trabalho e para isso foram criados os Comitês Técnicos Nacionais, que representam um fórum consultivo composto por especialistas técnicos de empresas, universidades, produtores rurais, trabalhadores rurais, associações, sindicatos e representantes de órgãos técnicos do governo.

Assessoria de Comunicação do Sistema FAEPA/ SENAR-PA
(91) 4008-5333
www.faepanet.com.br