Assistência Técnica e Gerencial SENAR

O Brasil é líder mundial na utilização de tecnologia agrícola, mas ela não chega às classes produtoras de menor renda. Há uma enorme carência de profissionais especializados para disseminar todo o conhecimento que o Brasil adquiriu com pesquisa e tecnologia.

O baixo acesso a assistência técnica e extensão rural é um dos principais fatores de baixa disseminação de tecnologia no campo.  A extinção da Embrater, a Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural, em 1990, concentrou o conhecimento entre os grandes produtores rurais e deixou órfãos os médios e pequenos, que não conseguiram acompanhar todos os avanços proporcionados pela pesquisa e a tecnologia.

De acordo com último censo agropecuário do IBGE, de 2006,  estas ações, no setor rural são ainda muito baixas.

Situação das propriedades rurais brasileiras em relação ao recebimento de Assistência Técnica e Extensão Rural

  Quantidade %
Não receberam 4.030.473 77,88
Receberam Regularmente 482.452 9,32
Receberam Ocasionalmente 662.564 12,8
Total de Estabelecimentos 5.175.489 100

Fonte: Censo Agropecuário 2006 (IBGE)

Ainda de acordo com o IBGE, a população economicamente ativa no meio rural é de 36 milhões de pessoas, 19% da total brasileira. Destes, 6,4% possuem ensino médio completo e somente 1% tem curso superior, o que comprova a necessidade da ampliação do acesso dos brasileiros do meio rural ao conhecimento.

Com a enorme capilaridade que tem e por acreditar que pode contribuir ainda mais com a multiplicação do conhecimento, o SENAR criou a Metodologia de Assistência Técnica e Gerencial com Meritocracia para auxiliar, principalmente, os produtores rurais das classes C, D e E que não têm acesso à extensão rural e às novas tecnologias.

A produção assistida do SENAR é realizada com grupos de produtores selecionados e desenvolvida por metas. A remuneração da equipe técnica segue critérios de meritocracia, ou seja, depende do cumprimento das metas de assistência técnica pactuadas, que devem abranger o aumento da produtividade e renda nas propriedades.

A Metodologia de Assistência Técnica e Gerencial está fundamentada em cinco etapas, que envolvem todo o processo a ser aplicado no desenvolvimento da propriedade rural atendida, conforme esquema abaixo:

 

1° DIAGNÓSTICO PRODUTIVO INDIVIDUALIZADO

Quando são levantadas informações produtivas, ambientais, sociais e econômicas necessárias para estabelecer metas e um cronograma de ações eficazes.

2° PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Importante etapa de pactuação dos objetivos que ocorre entre o produtor rural e seu técnico de campo, sempre com o acompanhamento de um supervisor.

3ª ADEQUAÇÃO TECNOLÓGICA

É quando são feitas as recomendações pela equipe técnica que geram impacto direto em todo o sistema de produção.

4ª CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL COMPLEMENTAR

Utilizando a experiência do SENAR, os cursos de curta e média duração, complementam os conhecimentos trazidos pelo técnico de campo e auxiliam nas decisões tomadas pelo produtor rural.

5ª AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RESULTADOS

Conjunto de ferramentas operacionais e tecnológicas, desenvolvidas pelo SENAR que apontam para o alcance do resultado ou sinalizam a necessidade de ajustes no planejamento da propriedade.

Metas específicas:

› Produtor

  • Capacitar para o empreendedorismo e a gestão do negócio

  • Elevar a renda e a produtividade buscando eficiência e eficácia

  • Aumentar a rentabilidade

  • Estabelecer o perfil tecnológico, social e econômico

  • Elaborar o planejamento estratégico da propriedade

› Técnico

  • Propiciar acesso ao mercado de trabalho

  • Desenvolver a formação continuada

  • Remunerar por mérito (renda fixa + variável)

 

Para mais informações procure o SENAR do seu Estado, clicando aqui.